quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Fazer uma sesta ...

De todos os prazeres que temos, à mão de semear, a sesta é o mais fácil, o mais barato e, sem dúvida, o mais gratificante de todos. 
Ocorre tradicionalmente ao meio-dia, o que no calendário romano correspondia à hora sexta (e daí o nome sesta), mas o importante é que seja feita depois de almoço. É uma vergonha (um crime, direi) que a sesta não faça, por lei, parte dos nossos hábitos diários. 
Não é dormir a tarde toda (não fiquem já aflitos a achar que endoideci e que, com o país em crise, eu só penso em dormir... calma!!), é apenas passar pelas brasas. Aqueles 15/ 20 minutos -fabulosos- que operam maravilhas. E, acreditem-me, não precisávamos de mais que isso para enfrentar o resto de uma tarde de trabalho com muito mais energia. Devíamos andar todos com uma almofada debaixo do braço para onde quer que fôssemos (já imaginaram?). Uma sesta diária faria o trabalho de muitos suplementos vitamínicos e substituiria, na perfeição, todos os cafés que tomamos após o almoço e durante a tarde. 

E se fosse assim... seria ainda melhor ...




Sem comentários:

Enviar um comentário