quarta-feira, 31 de outubro de 2012

no fim



No fim são muito poucas as palavras
Que nos doem a sério e muito poucas
As que conseguem alegrar a alma.
São também muito poucas as pessoas
Que tocam nosso coração e menos
Ainda as que o tocam muito tempo.
E ao fim são pouquíssimas as coisas
Que em nossa vida a sério nos importam:
Poder amar alguém, sermos amados
E não morrer depois dos nossos filhos.

tradução: Joaquim Manuel Magalhães* de um poema de Amalia Bautista






8 comentários:

  1. Respostas
    1. Boa noite Ana :) é lindo não é? diz tudo... não falta cá nada neste poema ... nada!!

      boa noite ;)

      Eliminar
  2. Devíamos preocupar-nos mais com aquilo que realmente interessa! Beijinhos*

    ResponderEliminar
  3. Lindíssimo poema! (Vou roubar...) Obrigada.

    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Graça leve à vontade :) é lindo demais. beijinhos e uma boa noite

      Eliminar