quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

E as minhas mini mini férias de Carnaval chegaram ao fim. Apesar de terem sido passadas com uma valente gripe que me impediu este ano de sair de casa para viver o Carnaval como gosto e de também terem sido passadas em consultas médicas, com uma biopsia com punção pelo meio, a verdade é que férias são férias e estas não fugiram à regra. Foram férias com sabor a família, a doces feitos com carinho para oferecer a amigos que vêm de longe, a assados saídos do forno em dias frios para aquecer e aconchegar e foram férias com  a presença constante da minha mamã cá em casa que devido aos últimos acontecimentos com a minha saúde tem andado muito abalada. Apanho-a a choramingar para o meu marido e a olhar para mim com aquele olhar que só as mães sabem fazer quando têm medo de perder as suas crias.
Mas eu fiz de tudo para que estes dias fossem felizes, alegres e dentro das rotinas a que os meus filhos estão acostumados. Apesar das idas constantes ao médico e das deslocações a Coimbra animei-os e mimei-os tanto quanto pude, estive presente mesmo nas minhas ausências e mantiveram-se os almoços de Domingo e de Carnaval com aquelas coisas boas a que estão habituados... esforcei-me para agir sempre naturalmente na presença da minha mãe para que assim ela descanse e se tranquilize. Sei bem o que lhe passa pela cabeça mas também sei que não a posso deixar exteriorizar ou verbalizar o que pensa e o que sente. 

Se vou abaixo na frente dela perco a força e a minha firmeza. Se a deixo exteriorizar em voz alta o que sente e diz quando não estou presente eu perco esta energia, este otimismo, esta garra que trago comigo e que me tenho esforçado para manter mesmo em dias difíceis...  

Há qualquer coisa na minha relação com a minha mãe que não me permite mostrar fraqueza, que não me permite chorar na sua frente ou tão pouco dizer o medo que sinto cá dentro... e eu sei que se fraquejar, se sucumbir e largar uma lágrima passará a ser mais difícil levar tudo isto e aguentar os próximos tempos ...




5 comentários:

  1. Seja o que for que se passa desejo-te muita força, muita garra e muito optimismo.
    Tudo de bom.

    ResponderEliminar
  2. Amiga, mãe é para o resto da vida e tu deves de saber.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. e no meu caso Oncinha mãe é também a última família que me resta...

      Eliminar
  3. Seja o que for, nós somos sempre mais fortes do que aquilo que aparentamos e pensamos ser! falo por experiencia própria, acredita! *

    ResponderEliminar
  4. As melhoras querida. Que esse momento mau passe depressa e que tudo se resolva da melhor forma. Força*

    ResponderEliminar