quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Eu e a minha incapacidade para dizer que não! Quer dizer, eu até consigo dizer que não à maior parte das pessoas... o que eu não consigo é dizer não a um aluno aflito. Então vai daí que me aparece uma menina (muito querida por acaso) e me pede explicações de Análise 2 e Álgebra Linear e Geometria Analítica para os exames de Setembro da faculdade. Claro que isso implica que parte das minhas manhãs de Agosto estarão ocupadas, que até Setembro farei planos apenas de fins-de-semana prolongados para não a deixar desamparada e que férias agora só em Setembro antes das aulas começarem... se fosse outra situação eu teria logo, mas é que nem pensava duas vezes, dito que não. Mas como é uma aluna eu não consigo ... fico cheia de pena de deixar alguém desamparado e a precisar de ajuda... deve ser desesperante precisar de apoio e de alguém que nos ensine e esclareça e não ter com quem contar. Por isso, falei com o marido e expliquei aos filhos que este mês podemos aproveitar as tardes dos dias em que trabalho de manhã e fazer fins-de-semana prolongados a partir das quintas-feiras à tarde (altura em que fico livre). Todos concordaram e, assim, durante as manhãs eles podem dormir e dedicar-se às tarefas que tanto gostam: pc, consolas de jogos, TV e passearem com o pai e depois eu regresso e a tarde é nossa! 

Vai-me custar um bocadinho... pois já tinha feito imensos planos para estes dias depois do M. vir da Colónia, além de que dar explicações o resto deste mês e alguns dias de Setembro significa que quase não parei, o ano inteiro, de trabalhar. Foram os exames em Junho, depois alguns alunos que vieram fazer melhorias para a 2ª chamada e prolonguei o trabalho até dia 18 de Julho e agora de novo (re)começar. Claro que pelo caminho já fomos de férias e já aproveitamos muitos dias bons e é claro que sou muito, mas muito grata por ter trabalho (isso nem está em causa) mas custa ... dar explicações é uma tarefa dura, exigente, absorvente e dar explicações de Mat então nem se diz nada: é ainda mais absorvente e ainda mais exigente... também é fascinante é certo, mas também exige muito de nós ao nível da concentração, da  dedicação, da disciplina que temos que incutir aos alunos (que cada vez têm menos métodos de trabalho) e da pesquisa de novos e interessantes materiais que não só estimulem o aluno como o ajudem a desenvolver as suas competências. Mas a verdade é que eu não resisto a estar muito tempo sem o contacto com os meus alunos, sem mexer em livros e sem ensinar... é mais forte que eu! E por isso, e apesar de ainda não ter recuperado do cansaço do ano inteiro, lá vou eu de novo, fazer aquilo que tanto gosto e para o que sinto que fui feita: ensinar! 

Mas às vezes dava jeito saber dizer que não... às vezes ...






4 comentários:

  1. Calculo que se sinta como que, numa encruzilhada, certo? Mas com certeza, no fundo, bem lá no fundo acredita que fez a melhor opção :)
    É bom saber que existem pessoas assim, que pensam nos outros, que ajudam realmente os outros e não se ficam apenas pelas boas intenções mas sim,, nas acções, nas boas acções.
    Um beijinho e continuação de um excelente Verão.

    ResponderEliminar
  2. se fazes o que gostas, não vai custar. e é sempre tão reconfortante saber que se faz o bem por alguém de quem se gosta. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. sim, é verdade que adoro o que faço, e muito, mas vai-me custar não a trabalhar em si mas a estar menos tempo com os meus numa altura em que tinha decidido e feito planos noutro sentido... mas não estou nadinha arrependida... vai correr tudo bem :)

      Eliminar
  3. Mas aqui está uma boa professora em que o amor à arte suplanta quase tudo o resto; é bonito e uma atitude de grande nobreza. Existem tão poucas pessas nobres por aí...um beijinho e desejo que para a aluna, valha a pena :)

    ResponderEliminar