terça-feira, 28 de janeiro de 2014

medos

Do que tenho mais medo? De não ter sabido viver esta vida. De ter passado por ela sem deixar rasto. Sem deixar a minha impressão digital - o que me define - sem deixar a minha marca.
Tenho medo de ter vivido de forma neutra, de ter passado despercebida, de nunca me ter revelado. 
Tenho medo de ter sido uma pessoa diferente do que sou de verdade...

Tenho medo de chegar ao fim da viagem e não ter feito nada de grande, de absoluto, de verdadeiramente significante. De não ter criado nada ou de ter vivido iludida.

Depois olho para vocês ... para este amor de sempre e desde sempre e para estes 2 filhos que são a minha paixão e é como se tivesse uma revelação. É como se entendesse finalmente que não vale a pena procurar um sentido para a minha vida fora de mim mesma porque o verdadeiro sentido está e sempre esteve aqui. Nasceu de mim e nasceu para mim. Esta é a minha obra. Uma obra sempre inacabada é certo, mas é este o meu propósito nesta vida. Foi por eles que encontrei sentido na falta de sentido que, muitas vezes, carreguei comigo. 

São vocês a minha obra, o meu projecto, a minha impressão digital. São vocês que continuarão as minhas pegadas nesta vida: primeiro caminhando ao meu lado e depois caminhando à minha frente.

Quero investir mais em vós. Quero dedica-me a este mundo que é vosso e meu, que somos nós e faz parte de mim. Quero encontrar a minha definição em vós sem, no entanto, me esquecer de mim. Quero deixar ir mais longe esta ânsia que trago cá dentro e que não vos sei explicar... é um querer tão profundo... como se o mundo não me chegasse para tudo o que sou e para tudo o que sei e para tudo o quero ser e aprender e conhecer. 

Há dias em que tenho medo de ter perdido, irremediavelmente, a minha essência sem nunca ter mostrado ao mundo as verdadeiras razões que me levaram a ser eu. 

Olho para vocês e não tenho dúvidas. Mas há momentos em que me falta, ainda, a coragem necessária, urgente para me deixar arrebatar totalmente pela vida... 

Olho para vocês e não tenho dúvidas. Mas há dias em que ainda carrego muito medo comigo...  


4 comentários:

  1. O medo faz parte da vida, mas há que saber relativizá-lo... :)

    ResponderEliminar
  2. Quantas de nós, enquanto mães, nos confundimos no propósito que nos move. Mas ele está lá e sempre esteve. Podem ser imensas coisas, sendo todas elas realizáveis, mas a prioridade tem de ser o nosso propósito maior para que todos os outros se concretizem. Penso que para todas as mães que amam acima de tudo os seus rebentos, este será sempre o seu 1º grande desafio, o seu 1 grande propósito, ser a melhor mãe possível!
    Beijinhos e que as tuas ansias se apaziguem

    ResponderEliminar
  3. O medo vai estar sempre lá, o segredo está em saber contorná-lo, em não lhe dar demasiada importância, caso contrário, nunca vamos conseguir arriscar. Devemos sempre lutar por aquilo que queremos ou, pelo menos, tentar, para não corrermos o risco de, daqui a uns anos, olharmos para trás e pensar "podia ter, ao menos, tentado e não tentei".

    ResponderEliminar
  4. Sem dúvida que os filhos são mesmo um bem que se tem e que faz as pessoas serem mais, no sentido em que, pelos filhos tudo se faz. Não sou mãe, não sei se algum dia irei ser, mas espero que sim, para me sentir dessa mesma forma.

    ResponderEliminar