segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

*


6h30. Tenho uma hora de silêncio até a casa acordar e começar o rebuliço da manhã, do pequeno-almoço, das conversas paralelas à mesa e os muitos "despachem-se ... comam... não se atrasem" ...
1h livre. só minha. toda para mim. Aqueço a água para o chá que me vai acordar. Lá fora chove e está escuro... vêem-se aqui e ali as luzes de Natal que brilham noutras casas e noutras janelas fazendo um ritmado concerto de cor. Digo bom dia ao dia novo que aí vem. Cumpro os meus rituais e preparo-me para agendar cada milímetro deste meu dia, onde nada, mas mesmo nada, pode hoje falhar.

Muitas vezes me perguntam como sou capaz de me levantar tão cedo e para quê... Não me custa acordar mais cedo, há toda uma clareza - própria desta luz matinal - que me ajuda a alinhar os pensamentos e a clarificar as ideias e me ajuda a começar o dia com outra energia e outra disposição. Não me custa acordar cedo e ter calma e tempo para me organizar, para ler um pouco, para ver as notícias, para poder escrever ... não me custa e preciso deste tempo para mim, preciso deste silêncio antes de começar o rebuliço que é o meu dia...


6h30 da manhã. 1h só para mim e um dia inteirinho pela frente.

*Bom dia segunda-feira
















2 comentários:

  1. Até pode custar a levantar tão cedo, mas depois deve saber tão bem...
    Boa semana*

    ResponderEliminar