sábado, 23 de janeiro de 2016

É o amor mais fácil.
O único que não se lamenta.
É sentimento aço e soberano. De uma geometria incondicional.
É tão vivo, que chega a doer de tanto querer. É simples na forma como nasce, espontâneo na forma como se vive. É universal a credos e a cores. Indiferente a transformações, mutações e formatos.
É transparente na vivência é opaco a interferências e não tem reticências de qualquer espécie. É todo dar. E só porque educa e ama, recebe, mas não pede, dá.
É abrasador, catalisador e benevolente. Nasce sem condição.
É sentimento que respira para além da vida, acima do querer e da saudade. Não é prisioneiro nem carrasco.
É amor, não é lamento, não nasce fora, vem de dentro.
E mesmo quando não sabe ser assim tão ágil.
Nunca fica frágil. É o meu amor mais fácil.

Isabel Saldanha






Créditos imagens - The deer ones



1 comentário: