segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

acreditas?



"Acreditas no destino, mãe?" - começou ele. "Achas que existe algo para além da nossa vontade ou achas que somos nós que decidimos a nossa vida sem que nada a possa mudar? porque se existe destino então de que vale a pena lutar por isto ou por aquilo, se tudo já estava decidido antes?" 


Nem sempre consigo responder a todas as perguntas que me fazes ... talvez porque as respostas que me exiges também ainda não estejam claras para mim ou talvez porque as dúvidas que tens sejam as mesmas que ainda me assaltam mas penso que o destino filho, ou a noção de que ele existe, é algo que surge com o tempo... surge com o tempo e numa determinada idade. Quando se tem a tua idade não se pensa nisso, achamos que o mundo é nosso e que tudo depende da nossa vontade e não aceitamos outra explicação que não essa. Mas com a idade vem também o entendimento natural das coisas, que depende dos anos vividos e da qualidade dos mesmos. Se observamos o caminho já feito (e aos 43 anos já se tem qualquer coisita para observar) verificamos que, muitas das coisas que pensamos criar, mudar ou alterar, na verdade não fomos nós que as criámos ou mudámos, na verdade elas já lá estavam... apenas nós não vimos e, como tal, assumimo-las como obras nossas; Com a idade e com a vida também eu aprendi a reconhecer, no caminho, os sinais que antes não via e quando hoje olho para trás, vejo que cada trilho que percorri, cada estrada, cada caminho percorrido nunca foi feito a direito... teve sempre setas - para a esquerda e para a direita, para cima e para baixo - teve sempre várias alternativas e várias encruzilhadas... Com o tempo aprendes que somos nós, com as nossas acções e atitudes - embora muitas vezes sem essa consciência, que escolhemos as direcções e os caminhos que queremos seguir, as vidas que queremos tocar ou conhecer e somos nós que decidimos, se nos vamos ou não perder nessas encruzilhadas do caminho, cientes de que tudo tem uma razão para acontecer e de que, por isso, nada acontece nesta vida por acaso.
Por isso, também tu filho, ao longo do caminho vais encontrar outras vidas, vais cruzar-te com muita gente... mas conhecê-las, deixá-las entrar na tua vida, deixares que te cativem ou não dependerá sempre, e exclusivamente, de ti. É uma escolha de momento, uma escolha que fazes num segundo... e embora não o saibas (nem te apercebas) a diferença que existe entre deixares ou não deixares que uma vida se cruze com a tua, a diferença entre seguires a direito no teu caminho ou fazeres um desvio, é já um jogo do destino e será ele que determinará a tua existência e a de quem está junto de ti. 




1 comentário:

  1. O teu filho é mesmo curioso, e tu consegues explicar tudo tão bem :)

    ResponderEliminar