terça-feira, 12 de abril de 2016

Etapa 3 - Redondela - Pontevedra


Ao terceiro dia as dores estão no auge! O corpo dá sinais, queixa-se e exige cuidados! Nesta etapa - lindíssima e grande por sinal - percebi que o mais importante para mim não era chegar a Santiago mas sim tudo o que estava a viver e a conhecer durante cada etapa e ao longo de cada dia (24h inteirinhas, aproveitadas ao segundo, sem distrações, sem TV, sem pc sem ruídos exteriores!) ... Nesta etapa chorei. Foi um misto de cansaço, de alegria por ter conseguido chegar até aqui e, ao mesmo tempo, uma tristeza que se instalou em mim porque daqui a exatamente 3 dias tudo chegaria ao fim! E depois? Como se regressa à velha rotina e à normalidade (?) dos dias? 

Pontevedra foi uma agradável surpresa no final da etapa! Era domingo quando lá cheguei e a chuva dera umas pequeninas tréguas. Havia gente nas ruas, nos cafés e nas esplanadas pois, apesar do frio que se fazia sentir, sabia bem cada pedaço de sol que espreitava por entre as nuvens! Pontevedra tem praças lindíssimas e monumentos fantásticos e, apesar das dores das pernas, percorri todas as ruas e vi todos os monumentos e igrejas que queria ver e cujos nomes levara escritos num papel (tpc feito dias antes de partir). 
smile emotico! 
Dizem que é em Pontevedra que testamos a nossa fé e percebemos o porquê de nos termos feito à estrada! Concordo em absoluto! Fazer o Camiño de Santiago, para mim, não foi fazer uma "caminhada" - para fazer caminhadas tenho a minha rua - não precisava de ir daqui até Santiago!! E acho incrível que muita gente o faça apenas como desafio físico (há imensas pessoas que nem sabem quem foi Santiago, quem não conhecem a história e a lenda por detrás do apóstolo!). Conheci pessoas que foram a Santiago e caminharam dias inteiros sem parar para ver uma igreja, um monumento e sem parar para olhar em volta! Conheci pessoas que caminhavam, caminhavam com o intuito de chegar ao albergue, deitar e dormir até ao dia seguinte e repetir tudo de novo! Conheci também os que não olhavam ninguém, que caminhavam sozinhos e que nunca dormiram num albergue porque não pretendiam falar nem partilhar nada com ninguém. Cada um terá os seus motivos para ir tão longe! Cada um saberá os reais motivos que os levou a sair de casa e a caminhar dias a fio e não há melhores nem piores motivos! Cada um tem os seus e eu também tinha!
..... Mas por maiores que fossem as minhas certezas e as razões que me levaram a ir foi durante o caminho que as aprofundei e foi em Pontevedra que mais profundamente as defeni!


1 comentário:

  1. Conheço quem tenha feito esse mesmo percurso e tenha adorado, só é pena não dar para ver as fotos que partilhaste.

    ResponderEliminar