terça-feira, 26 de abril de 2016

Vive como gosta, na sua aldeia, na sua terra e entre tudo o que é seu. Sorri como quem agradece à vida por nunca lhe ter faltado com o pão de cada dia, por lhe ter dado uma casa para viver e uma companheira a quem agradece pela alegre presença ao longo de tantos anos juntos! Comove-se quando fala de cada animal que tem, de cada um que perdeu e de cada um que nasce! Nascer é para ele adiar a morte e prolongar a esperança, é ter fé na continuidade da vida, é acordar todas as manhãs e agradecer por mais um dia, é acreditar que é possível renascer e começar de novo tantas vezes quantas as necessárias! Trabalha de sol a sol, de segunda a domingo, vergado pelo peso dos anos que carrega consigo a par com os sacos que traz às costas! Cumprimenta quem passa mesmo que não conheça e mete conversa com todos, talvez para afastar a solidão causada pela ausência de caras novas numa aldeia de 20 habitantes! Acredita no dom da vida, no que planta e recolhe da terra, nos ciclos de uma natureza que respeita e diz que se abraçarmos com amor a vida que temos e olharmos para ela como um milagre que se renova a cada dia, também nós podemos nascer de novo, não uma mas muitas vezes, e alcançar a felicidade de quem tendo quase nada se sente dono de tudo!





3 comentários:

  1. Tão bom quando ainda estão connosco :)

    ResponderEliminar
  2. Já não tenho os meus avós Green ... Mas gosto muito de conviver com estas gentes das aldeias que me lembram tanto os meus avós ... Tanto que ensinam ... Tanto que me dao :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exato, por isso é que disse que é tão bom quando ainda estão connosco, pois infelizmente nem todos os temos por muito tempo.

      Eliminar