sexta-feira, 27 de abril de 2018

Sobre arrependimentos ...

Quem, na vida, nunca se arrependeu de nada? Quem, podendo, não voltaria atrás e faria tudo (ou muita coisa) diferente? Quem nunca disse algo que preferia não ter dito, ou teve uma atitude da qual se arrepende e que se pudesse voltar lá atrás não teria tido?
Não compreendo quando oiço algumas pessoas dizerem: "não me arrependo de nada!" ou "se pudesse voltar atrás faria tudo, tudo igual... sem mudar uma vírgula!"

Será que acreditam realmente no que dizem? Será que, realmente, nunca disseram nada de que se arrependam? Será que nunca disseram algo que melindrou ou magoou alguém? Será que nunca cometeram um erro, uma falha ou será que nunca terão feito uma escolha que, na altura embora lhes parecesse correta, hoje se pudessem teriam escolhido o oposto?
Eu acho que há uma diferença enorme entre fazer algo que não gostaríamos de ter feito mas que teve mesmo que ser feito e fazer algo que, se pudesse voltar atrás, não teria feito porque fiz mal, errei ou na prática, e a longo prazo, verifiquei que nada me acrescentou de bom e que estava errada. O "não me arrependo de nada", não existe... O que existe é o modo como eu lido e vou gerindo as minhas falhas, os meus dias menos bons, os meus erros. O que conta, no balanço desta equação, é o modo como aceito que, muitas vezes dadas as circunstâncias, eu errei, mas que não poderia ter feito melhor e aceitar isso. Perdoar-me por isso. E seguir em frente. Com arrependimento, é certo, mas consciente das minhas limitações em certas situações. 

Por isso não acredito em pessoas "nunca me arrependo de nada" ou em pessoas "não mudava uma vírgula a nada do que já fiz ou disse!", porque isso seria acreditar em pessoas sem falhas, com vidas perfeitas, que nunca magoaram ninguém, que nunca foram injustas, que nunca julgaram ninguém (mesmo sem querer...), que nunca erraram! E eu não acredito nisso porque isso, simplesmente, não existe. 

O que existe, isso sim, são pessoas "faz de conta" a viverem vidas "faz de conta que..."; Pessoas que preferem enfiar a cabeça na areia e "fingir" que estão a viver muito acima dos outros, com existências tão plenas e profundas de significado que nunca, na sua vida inteira, poderiam arrepender-se do que seja.





1 comentário:

  1. Tal e qual, mas sem dúvida que há muita gente assim, que se acha o máximo e que quando falam parecem de facto superiores e perfeitas.

    ResponderEliminar