terça-feira, 29 de maio de 2018

Para ler (e reter) com atenção

Quando temos um blog há 6 anos e um dia decidimos torná-lo público significa que em tudo o que somos, sentimos e escrevemos não há nada que não possa ser partilhado com todos. Escrevo porque gosto e partilho porque posso. Porque não preciso de esconder nada e porque sou verdadeiramente livre de dizer o que quero e penso. Não tenho preocupações sobre o que vão pensar de mim, cheguei onde estou por mérito próprio e, por isso, sou livre de pensar pela minha própria cabeça sem ter que me vergar às opiniões alheias. 
Quando escrevo não pretendo mandar recados a ninguém, os meus textos não são "indiretas" nem mensagens camufladas. No entanto, não deixa de ser curioso saber que tanta, mas tanta gente que me conhece pessoalmente também me lê e não comenta o que leu, nem sequer que viu ou sabe que o blog que segue é meu... vivem no "faz-de-conta-que-não-li-e-não-sei-que-ela-tem-um-blog!". Claro que, muitas vezes, não se contêm e lá vem uma mensagem (assim como quem não quer nada mas já querendo alguma coisa) com umas indiretas sobre algo que escrevi e que, sabe-se lá porquê sentiram que era para si ou se sentiram, de algum modo, melindradas. Mas tudo assim muito discretamente. Tudo muito do género "eu-não-li-nada-do-que-escreves-porque-eu-até-faço-de-conta-que-não-sei-que-tens-um-blog-mas-fica-aqui-o-meu-comentário-INOCENTE-sobre-algo-que-escreveste!"
É cómico e triste ao mesmo tempo. Chega até a ser patético, que o mal estar e incómodo das pessoas (podemos dizer inveja???) às vezes se revele dos modos mais estranhos e as impeça de ser agradáveis com os outros. É sempre preferível ignorar e assobiar para o lado. Não seria mais "normal" dizer "eu vi o que escreveste" ou "eu sigo o teu blog" do que andarem por aí, às escondidas, como se andassem a "bisbilhotar" a minha vida sem que eu soubesse que me lêem diariamente?? 
Primeiro porque eu sei (há tantos modos de saber quem nos segue e nos lê...) e depois porque não há nada de mal em ler, em seguir, em saber o que escrevo ... porque sou eu que partilho, e se eu partilho é porque posso... é porque não há aqui nada que não se possa ler ou saber. Isto não é um diário secreto cheio de segredos, é apenas um blog igual a tantos milhares de outros blogs. Não há, por isso, necessidade de incómodos, de constrangimentos, de "fazer-de-conta" que não sabem da existência dele se depois vão comentá-lo uns com ou outros. Podem ler. Podem comentar. Podem partilhar. A sério... é para isso que os blogs existem. (Fica a dica...)




3 comentários:

  1. Acho que tens toda a razão, sem dúvida, mas nem toda a gente vê a coisa assim.

    ResponderEliminar
  2. Sabes que costumo dizer a isso: gente que não tem que fazer!

    ResponderEliminar
  3. Identifico-me mesmo muito com o que escreveste, de vez em quando também tenho de levar com o "eu-não-li-nada-do-que-escreves-porque-eu-até-faço-de-conta-que-não-sei-que-tens-um-blog-mas-fica-aqui-o-meu-comentário-INOCENTE-sobre-algo-que-escreveste" Haja paciência!

    ResponderEliminar